Topo
Luiza Sahd

Luiza Sahd

Categorias

Histórico

Nego do Borel X Marillac: como é fácil fazer um homem se sentir menos macho

Luiza Sahd

2015-01-20T19:04:00

15/01/2019 04h00

A cantada de uma mulher trans compromete sua masculinidade? Se a resposta for sim, a culpa não é dela. (Colagem: andcrespi)



Não é de hoje que a gente vem avisando duas coisas:

1- Cantada é coisa séria;

2-  O ódio contra a comunidade LGBT é costume de quem não se sente confortável com a própria sexualidade.

Às vezes, é difícil dar exemplos práticos de como isso funciona no dia a dia. Às vezes, basta abrir as redes sociais.

No último sábado (12), o cantor Nego do Borel posou de sunga em seu perfil no Instagram. Dentre as dezenas de elogios e cantadas que recebeu, Borel escolheu um comentário para rechaçar — e foi justamente a mensagem escrita por Luisa Marillac, mulher trans que ganhou fama tomando bons drink na Espanha em 2013. Veja como foi:

 

É intrigante que justamente o homem que se travestiu de "Nega da Borelli" para beijar um cara num videoclipe tenha ficado tão abalado ao receber a cantada de uma mulher trans. O mecanismo é bem tosco e acontece por aí toda hora: Borel não respeita a identidade feminina de Luisa (reconhecida por lei!). Assim, receber um elogio dela sem revidar poderia passar a impressão de que o funkeiro gosta de paquera com travestis. O gesto é popularmente conhecido como transfobia, mas muita gente acha que o assunto é perda de tempo.

O assunto importa tanto que aqui estamos, cercadas por homens descompensados que entram em pânico e ficam agressivos quando viram alvo do interesse sexual de mulheres que eles não leem como femininas ou mesmo de outros caras. 

Veja também

Você sabe diferenciar paquera de assédio?

Além da próstata: 6 prazeres que o machismo pode tirar dos homens

No Dia Internacional da Mulher, que tal tratar homens como homens?

O embate entre Borel e Marillac marca muito bem a forma como a masculinidade tradicional parte da lógica de que xaveco e intimidação andam juntos. Por um lado, a maioria dos homens cresceu sem aprender como demonstrar interesse por alguém evitando dominar ou constranger a pessoa. Por outro, toda essa valentia aí explode feito bolha de sabão quando eles acham que outro homem está fazendo com eles o que eles fazem com tantas mulheres, o tempo todo.


Bem-vindos à consciência do que é sentir intimidação diante de uma cantada, rapazes. Pena que tenha acontecido pelas razões erradas: Nego do Borel só pescou e revidou a cantada de Luisa, entre tantas outras cantadas femininas, porque sentiu transfobia.

Achei simpático que Nego do Borel tenha publicado um pedido de desculpas nestes termos: "Luísa, eu quero te pedir desculpas do fundo do meu coração pelo o meu comentário. Realmente eu errei, me perdoa. É um jeito meu que eu estou tentando mudar aos poucos, a gente vai mudando, lapidando aos poucos".

O que ele não sabe (e que muita gente não diz) é que não se trata de um "jeito dele"; a reação à cantada de Marilac é fruto de um "jeito" de ser homem que fere muita gente, inclusive a eles próprios. Tentar ser o mais macho dos machos, cobrar que outros caras provem hombridade e essa papagaiada toda só tem prestado para fazer com que os cavalheiros durmam e acordem com medo de ter sua masculinidade roubada por sabe-se lá que entidade, como se fosse possível tirar isso de alguém. O macho inseguro sempre acaba causando transtornos imensos com seus gestos desesperados para passar o tal atestado de virilidade. 

Calma, caras. Se vocês se sentem confortáveis sendo homens, fiquem tranquilos: ninguém consegue tirar isso de vocês. Nem quem nasceu homem e se descobriu mulher, nem quem é homem e sente atração por homens, ninguém mesmo tem esse superpoder. Se vocês conseguirem dormir sossegados em relação a isso, provavelmente a sociedade inteira vai poder dormir mais sossegada também.

O maior inimigo do homem não é mulher, o feminismo ou a comunidade LGBT. O verdadeiro adversário de vocês é o amigo que chega falando "isso é coisa de viado" ou cobrando que você seja um exemplo de masculinidade. Às vezes, esse amigo aí é você. Precisava?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Luiza Sahd é jornalista e escritora. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante, Marie Claire e Playboy falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. Vive entre São Paulo e Madrid há anos, sem muita certeza sobre onde mora. Em linhas gerais, mora na internet desde 2008.

Sobre o blog

Um lugar na internet para falar das coisas difíceis da vida -- política, afeto, gênero, sociedade e humor -- da maneira mais fácil possível. Acredita de verdade que se expressar de modo simples é muito sofisticado.