PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Como Prioli: fugir de treteiros do achismo virou questão de saúde mental

Luiza Sahd

31/03/2020 04h00

Malandra é a Prioli, que não nasceu de bigode mas se recusou a ficar escutando groselha em rede nacional. (Foto: Reprodução/ Instagram)

 

Na manhã do último domingo (29), a comentarista Gabriela Prioli postou uma thread no Twitter comunicando sua saída do programa 'O Grande Debate', da CNN Brasil, apenas duas semanas após sua estreia.

Apesar do sucesso meteórico que o desempenho de Prioli refletiu nas redes sociais — a comentarista ganhou mais de 700 mil seguidores no Instagram desde a estreia do programa –, Prioli resolveu se retirar da atração porque estava cansada de debater com interlocutores mal preparados, além de ter suas falas interrompidas pelos colegas de bancada e de ver seus conhecimentos técnicos desmerecidos por homens leigos nos campos em que ela, literalmente, dá aula: Prioli é mestre em direito penal, professora da pós-graduação em direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie e especialista em política de drogas.

Veja também

Ela não está errada: é impossível, mesmo com todo o conhecimento técnico do mundo, manter uma discussão edificante sobre qualquer assunto nesses termos.

O encosto do sabe-tudo

Assim como Prioli, toda pessoa competente na sua área de atuação já foi assombrada pela entidade do sabe-tudo. É o sujeito que não conhece nada sobre o assunto do qual está falando, se dirige a especialistas como se estivesse dando show de conhecimentos "porque uma vez o primo da minha vizinha" e fica ofendidíssimo quando alguém tenta elucidar o tema com base em dados, ciência ou literatura especializada — não em causos.

O problema do sabe-tudo é, fundamentalmente, carência. Ele não precisa saber do que está falando; ele só quer falar. Ele não quer ter razão, ele quer ser feliz (mentira, ele quer ambos). Ele precisaria de mais abraços, mas haja estômago para abraçar uma pessoa que, sob o pretexto de ganhar atenção — midiática, profissional, familiar ou conjugal –, faz da dispersão de informações levianas e perigosas a sua profissão de fé.

Lamentavelmente, todo mundo conhece alguém com essas características. Mas nesse momento de pandemia, o que era apenas uma pessoa impertinente passa a ser uma pessoa tóxica em todos os sentidos.

Fuja do achismo, porque do vírus não dá pra fugir

Em tempos de covid-19, o achismo é perigosíssimo. Qualquer informação errada, afirmada com muita convicção, pode colocar a vida de sabe Deus quantas pessoas em risco. É o que tem acontecido, inclusive, em nível federal: do presidente da República mandando as pessoas voltarem às ruas como se nada fosse — e só ele tivesse razão enquanto todos os outros chefes de Estado do globo terrestre estão errados — ao tio do churrasco dizendo que a economia não pode parar, a figura do sabe-tudo se tornou especialmente intolerável.

Se afastar de discussões vazias nesse momento — ainda que a gente tenha apreço pela pessoa que está sendo leviana — virou questão de saúde física e mental. Em meio a uma quarentena, mesmo as pessoas que não sofrem de desordens relacionadas a depressão e ansiedade têm apresentado quadros como esses. Discussões improdutivas e angustiantes durante esse período são altamente desaconselháveis; pode perguntar para um especialista em saúde mental — não para um veterano do sabe-tudo. Fiz isso em terapia e funciona mesmo!

Enquanto tentamos salvar a integridade física de pessoas queridas que simplesmente não se importam com a coletividade em um momento tão delicado como o que se apresenta, nossa sanidade e energia vital escorrem pelo ralo. Idealmente, a gente respira fundo e tenta ajudar até onde pode. Em último caso, se retirar da discussão improdutiva, como fez Prioli, também é uma saída. Bem triste, mas eventualmente necessária.

Se tivermos sorte — e nada pior do que o surto do novo coronavírus acontecer nas próximas décadas — essa será uma crise que vai marcar toda uma geração, com impactos análogos a uma experiência de guerra. Em uma guerra, quem é esperto não desperdiça munição com bobagens. Se os entusiastas do achismo acham prudente gastar, fuja desse tiroteio a toda velocidade e se esconda num lugar seguro. Quem sabe, ao lado de quem se mobiliza verdadeiramente pelo bem comum: cientistas, pessoas solidárias, bons debatedores e inimigos do achismo de modo geral.

Sobre a autora

Luiza Sahd é jornalista e escritora. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante, Marie Claire e Playboy falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. Vive entre São Paulo e Madrid há anos, sem muita certeza sobre onde mora. Em linhas gerais, mora na internet desde 2008.

Sobre o blog

Um lugar na internet para falar das coisas difíceis da vida -- política, afeto, gênero, sociedade e humor -- da maneira mais fácil possível. Acredita de verdade que se expressar de modo simples é muito sofisticado.

Blog da Luiza Sahd