Topo
Luiza Sahd

Luiza Sahd

Categorias

Histórico

Infantilização: Flávio Bolsonaro aos 37 anos é garoto; mulher de 37 é coroa

Luiza Sahd

2024-01-20T19:15:51

24/01/2019 15h51

Inclusive, está permitido que homens adultos chorem, mas é melhor não usar a bandeira para assoar o nariz. (Foto: Reprodução/ Youtube)

Se você é mulher e adulta, já deve ter escutado, em alguma curva da estrada, as máximas "você sabe como são os homens", "homens são infantis", "homens são imaturos", "eles não crescem nunca" ou congêneres.

Ultimamente, quando escuto uma fala assim, arregalo bem os olhos — demonstrando meu máximo interesse no assunto — e peço para a pessoa descrever qual seria a limitação genética impedindo o desenvolvimento psicossocial esperado dos cavalheiros em comparação com o das damas. Ninguém que acredite na imaturidade masculina como condição incurável tem essa resposta, nunca. Deve ser porque essas pessoas não esperam ou não cobram que homens ajam como adultos normais, como eu ou você.

Veja também

Na última semana, o noticiário político nos deu um exemplo bem didático desse mecanismo. Ao responder sobre as acusações que recaem sobre Flávio Bolsonaro — enriquecimento ilícito e ligação com milícias, entre outros — o presidente Jair Bolsonaro se referiu ao senador usando o termo "garoto". No pior cenário, ele poderia ter dito "estão usando o senador Flávio Bolsonaro para me atingir", mas usou "estão usando o garoto para me atingir", configurando uma lasanha de equívocos éticos em várias camadas, a começar pelo fato de que o "garoto" tem 37 anos de idade.

Tenho quase 34 e posso afirmar sem medo: mulheres de 37 anos são sempre tratadas não só como adultas, mas muitas vezes como coroas. Ou velhas, enfim. Voltando à questão do menino Flávio, o presidente precisa decidir se vai fazer política como se estivesse num churrascão no quintal de casa ou se vai separar as questões profissionais e pessoais durante a gestão. Alternar as duas coisas segundo a conveniência do clã não está funcionando: o interesse público pede que Flávio responda como senador e que Jair responda como presidente. Se são pai e filho — e se caiu um dinheiro estranho na conta da primeira-dama, endereçado pelo assessor de Flávio, o que menos nos interessa nesse momento são os bastidores da relação pai-filho.

Flávio não é um garoto há muito tempo e Jair sabe tão bem disso que defende, inclusive, a redução da maioridade penal. Se entendemos tudo direitinho, na visão do presidente (e do próprio senador Flávio!), qualquer pessoa a partir dos 16 anos de idade está suficientemente madura para responder por crimes perante a lei.

Se referir a um servidor público como "garoto", quando convém, é um vexame. Pode ser natural que seus pais te chamem de garoto na intimidade do lar (na visão das pessoas que me criaram, acho que serei sempre uma garota), mas não teria cabimento que meus parentes chegassem na redação onde trabalho me chamando de garota. O mínimo decoro profissional pede que a gente trate questões de trabalho como o que são: questões de trabalho. O decoro ético também implica que a gente trate homens maduros como isso mesmo.

Digo com a maior dor no coração, porque a juventude é ótima mesmo: não existem garotos ou garotas maiores de 30 anos de idade. 

Antes que venham as pedras sobre a infantilização de mulheres, tão comum nas décadas passadas, gostaria de lembrá-los que o feminismo está aí para isso, entre outras coisas. Ele pressupõe que as mulheres engrossem a voz quando querem conquistar algo. Pesquisas comprovam que nosso timbre vocal engrossou nos últimos tempos, mas os homens reclamam quando a gente faz "vozinha fina sedutora" e reclamam quando a gente faz voz grossa para reivindicar o que seja. Opino que muitos não curtem que tenhamos voz ou reivindicações. 
Flávio Bolsonaro não é um garoto. A ciência está aí para provar que homens são tão capazes de assumir posturas maduras quanto mulheres. O único empecilho para que os rapazes realizem essa importante conquista é a sociedade. Se você trata adultos como garotos, não adianta se queixar de leviandade depois.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Luiza Sahd é jornalista e escritora. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante, Marie Claire e Playboy falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. Vive entre São Paulo e Madrid há anos, sem muita certeza sobre onde mora. Em linhas gerais, mora na internet desde 2008.

Sobre o blog

Um lugar na internet para falar das coisas difíceis da vida -- política, afeto, gênero, sociedade e humor -- da maneira mais fácil possível. Acredita de verdade que se expressar de modo simples é muito sofisticado.