Topo
Luiza Sahd

Luiza Sahd

Categorias

Histórico

Precisa explicar? Seus parentes sabem, sim, no que estão votando

Luiza Sahd

2007-10-20T18:04:00

07/10/2018 04h00

Talvez a gente esteja fazendo algo análogo ao mansplaning com nossos tios.
(Foto: Reprodução/ Marius Sperlich)

Dizem que o amor é cego — e as eleições só corroboram a teoria. Durante todos os outros momentos do ano, é mais fácil fazer vista grossa para uma opinião impopular (ou até agressiva) de alguém que queremos bem e que, eventualmente, sente o mesmo por nós.

O assunto do mês é uma facada. Foi mais ou menos isso o que senti na boca do estômago quando uma das pessoas que mais admiro na vida afirmou que votaria no candidato de discurso racista, homofóbico, machista e classista.

Veja também:

Inocente demais, fiz o que todos temos feito nessa campanha #EleNão: opinei, com cuidado e respeito, sobre o quanto a nossa democracia é recente, sobre como não deve adiantar desistir dela ao invés de tentar construí-la, sobre o risco de vermos chacinas e outras violências gratuitas contra minorias a partir do momento que o chefe de Estado afirma, sem pudor, que tá tudo bem fazer isso aí.

O que eu não sabia era que eu estava ensinando a missa ao vigário. A pessoa que tanto amo não só estava plenamente consciente de todos esses fatores como afirmou que, ainda assim, prefere tal perspectiva a uma eventual volta do governo que tínhamos até 2016. Trocando em miúdos: a gente acha que as pessoas não sabem o que estão fazendo quando se posicionam a favor de atitudes radicais, mas elas sabem.

É bem triste descobrir que um ser querido prefere injustiça social a crise econômica. Que optaria por eventuais assassinatos a eventuais roubalheiras. Que ele não se importaria tanto com violações a inocentes porque, no frigir dos ovos, pode ser que muitos bandidos morram também. Que o que importa, no fim das contas, é a segurança dele. O gay da família que volte pro armário ou seja um pouco menos bicha.

O que me leva a seguinte conclusão: provavelmente, o problema dessas eleições não é o candidato que afirma, sem pudor, que apoiaria Hitler hoje em dia. O problema, mesmo, é que existe uma quantidade enorme de pessoas que se identificam com esses anseios. Elas sempre estiveram do nosso lado, esperando que surgisse uma liderança defendendo tudo isso. Apareceu. E se não fosse ele, seria outro. O fascismo não está no candidato simpático a essa postura. Ele está do nosso lado, no sofá. Ele está, em boa parte dos casos, na cabeça de quem a gente ama de todo coração.

Eu adoraria ter uma proposta amigável de intervenção para tudo isso, mas não tenho. Adoraria acreditar que adianta dialogar, mas não acredito mais que estamos falando com pessoas desinformadas ou ingênuas. Com imenso pesar, palpito que talvez seja o caso de mudar a hashtag para #ElesNão, no plural mesmo, e encarar a verdade: as pessoas que amamos podem ser boas para nós e más, muito más, para outras pessoas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Luiza Sahd é jornalista e escritora. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante, Marie Claire e Playboy falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. Vive entre São Paulo e Madrid há anos, sem muita certeza sobre onde mora. Em linhas gerais, mora na internet desde 2008.

Sobre o blog

Um lugar na internet para falar das coisas difíceis da vida -- política, afeto, gênero, sociedade e humor -- da maneira mais fácil possível. Acredita de verdade que se expressar de modo simples é muito sofisticado.