Topo

Histórico

Categorias

12 vezes em que odiei as mulheres

Luiza Sahd

31/05/2018 04h00

 

"Reparou que ela não depilou o sovaco?" (Todas as ilustrações deste post são da cartunista espanhola Flavita Banana. Veja mais aqui).

 

Desde muito pequena, fui ensinada a odiar mulheres. A primeira delas foi minha mãe.

Qualquer pessoa que tenha o menor contato com a realidade sabe que mães erram tanto quanto pais e gente sem filhos, inclusive porque sabe-se lá se existe meio de "acertar" na criação de uma pessoa. A única certeza que tenho a esse respeito é que ela estava tentando acertar. Muito.

Curiosamente, toda vez que algo dava errado comigo, a "culpa" era sempre da minha mãe, de modo que acreditei nesse boato, eu também, por décadas. Um dos dias mais felizes da minha vida foi aquele em que descobri que ela é e sempre foi uma mulher como todas e como eu — fazendo o que pode com o que tem. Junto com essa descoberta, vieram outras memórias de mulheres que fui ensinada a odiar. Algo me diz que não estou sozinha nessa vivência.

1- A bonita
Antes mesmo de ter noção de sexualidade (ou de competitividade sexual), fui ensinada a odiar as meninas da escola que considerava muito bonitas, inspirada por frases como "que vaca, ela é muito bonita" e similares. Sobre meninos bonitos, não me deram grandes instruções ou restrições.

2- A gorda
É interessante como não se vê muita gente usando "gordo" como xingamento direcionado a homens. Deve ter algo a ver com o fato de que eles, desde pequenos, são meio proibidos de serem vaidosos. Fui uma criança obesa durante dois anos e, além de ser odiada nesse sentido, também me odiei por isso — mas claro, que realização da vida pode ser mais importante do que ser magra? Se havia, não me contavam.


3- A mal comida
Mesmo enquanto não tinha ideia do que era perder a virgindade, entendi que era preciso hostilizar a figura mítica da vizinha mal comida. A tia mal comida. A professora mal comida. Quem não sabe que uma mulher precisa de sexo (com um homem, claro) para ser uma boa pessoa?

4- A vagabunda
Essa seria a mulher que gosta de ser comida. Pelo que entendi na ocasião, uma mulher não pode ser mal comida, mas também não pode gostar de ser comida. Mulher tem que ser só comida, OK?

"Se o sexo fosse uma questão meramente de prazer, a gente só se masturbaria"

5- A louca
Se não me confundi, parece que um homem violento é, na pior hipótese, um homem agressivo. Já a mulher que fica furiosa em qualquer caso é, evidentemente, louca.

6- A falsa
Graças a Deus, não existe homem falso. Se existe, nunca ouvi falar. Quando um homem promete algo e não cumpre, ele é leviano. Quando um homem trai, ele é infantil. Quando um homem bajula alguém que odeia, ele é ambicioso. Menos mau que a falsidade só acometa metade da população mundial.

"É que eu queria que você estivesse a minha altura, não aos meus pés"

7- A relaxada
Não se depila? Credo. Não usa maquiagem? Tá deprimida. Não usa roupas insinuantes? Ainda entra na categoria de mal comida para ficar atenta.

8- A superproduzida
O que essa mulher pretende se cuidando e se arrumando tanto? Boa coisa é que não, né? Fora isso, ela certamente é burra, porque a atividade que mais prejudica o intelecto humano é a de se arrumar.

"Então nós não vamos? Vocês vão SOZINHAS?"

9- A fofoqueira
Todo mundo sabe que mulheres amam falar da vida alheia e espalhar segredos das pessoas. Elas inclusive deveriam ser punidas judicialmente pelo hábito de alastrar fotos íntimas dos homens sem autorização, que é algo muito comum e bem-visto por outras mulheres.

10- A chefe
Toda chefe é uma piranha. Ela não é incompetente, ela não é dura, ela não é chata. Ela é uma piranha. Sem mais.

 


11- Mulheres, de modo geral
Não são confiáveis. Se odeiam sempre. Querem sempre o que é seu, mesmo que você não tenha um gato para puxar pelo rabo. Elas querem especialmente o seu homem, porque qualquer homem é digno de fazer inveja às suas amigas. Falando neles: ainda bem que o mundo é liderado por homens. Imagina que desgraça seria esse mundo se metade das lideranças fossem femininas.

12- Eu
Não tenho um corpo suficientemente bonito, apesar de saudável. Não tenho postura, falo palavrão demais. Fumo (é muito feio mulher que fuma). Já estou ficando velha, não posso ter atitudes imaturas com tanta frequência. Passei dos 30 e não tenho nada meu fora uns móveis e eletrodomésticos. Ainda por cima, tô aqui reclamando do mundo, que é assim mesmo — e meu papel seria o de aceitar, sorridente, como fazem as boas mulheres que não reclamam de tudo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Luiza Sahd é jornalista e escritora. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante, Marie Claire e Playboy falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. Vive entre São Paulo e Madrid há anos, sem muita certeza sobre onde mora. Em linhas gerais, mora na internet desde 2008.

Sobre o blog

Um lugar na internet para falar das coisas difíceis da vida -- política, afeto, gênero, sociedade e humor -- da maneira mais fácil possível. Acredita de verdade que se expressar de modo simples é muito sofisticado.

Blog da Luiza Sahd