PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Felipe Prior é o novo xodó do BBB20. Estamos passando pano para machista?

Luiza Sahd

10/03/2020 04h00

Felipe Prior, participante do BBB20, foi de vilão à herói da edição. (Foto: Reprodução/ Globo Play)

Faz uns dez anos que o Big Brother Brasil não tem tanto sucesso — e pode ser que essa explosão do BBB20 nas redes sociais tenha a ver com a radicalização do ódio na internet.

Foram poucas as edições do programa em que a audiência se dedicou tanto a amar, odiar e problematizar os participantes. Dessa vez, as conversas que vêm surgindo durante a transmissão do BBB envolvem preocupações aparentemente bem nobres por parte dos espectadores: machismo, assédio sexual, relacionamento abusivo e racismo foram alguns dos assuntos mais comentados por quem acompanhou o programa nas últimas semanas.

Veja também

Dentre os confinados mais impopulares, Felipe Prior se destacava pela impulsividade, por andar com os caras que queriam fazer "Teste de Fidelidade" com as sisters comprometidas, por dizer que nenhuma das mulheres da casa é lá muito bonita e por insinuar que suas falas "não têm nada de machista ou feminista, são apenas opiniões", entre outras pérolas. Resumindo bastante, Prior é um cara branco de classe média que tem orgulho de ser tapado a respeito de questões de gênero e acha bonito dizer que também grita com a própria mãe — que já confirmou à imprensa que é ela, sim, quem arruma a cama do arquiteto de 27 anos de idade.

Como explicar a imensa popularidade de um cara assim no programa? Estamos todos doidos? A burguesia fede?
São questões. Mas a verdade é que, ao contrário do que a participante Manu Gavassi defendeu até uns dias atrás no jogo, o BBB não é um retiro espiritual — mas um jogo de convivência que demanda gente destemperada (como Prior) para que o público tenha algum entretenimento nesses três meses de confinamento em frente à TV. Quem explica esse dilema muito melhor do que eu é o colega Chico Barney, de quem empresto a frase "Prior errado é o BBB vivo".

Deixando de lado a parte cômica de ver um homem jovem tão equivocado, com tanta frequência, a respeito de discussões de gênero, a verdade é que seria impossível afirmar que estamos passando pano para machista ao manter Prior no programa sem olhar um pouco ao redor — e tratar de outros preconceitos gritantes nessa edição.

Desde o começo do jogo, o brother Babu Santana vem sendo isolado justamente pelas participantes feministas brancas do elenco. Mantê-las no programa é passar pano para racismo? Porque, se não for, talvez a gente precise discutir uma coisa meio chata chamada interseccionalidade.

A tal da interseccionalidade

Resumindo de uma forma meio tosca — ou de um jeito que até o Prior poderia entender — a interseccionalidade é uma teoria feita para lembrar a todos que cada um de nós pode sofrer e aplicar opressões diversas em seu entorno. Para dar exemplos do programa mesmo, Babu pode ter falas machistas eventualmente, mas ele sofre racismo perene por ali; já Marcela é feminista, teve que escutar falas machistas no programa, mas suas atitudes com Babu têm cara e cheiro de racismo estrutural (aquele que não é direto, mas está impregnado em toda a sociedade e atua de formas mais sutis do que xingamentos sobre raça). Segundo o próprio Babu, Marcela e suas amigas o tratam com um desprezo inexplicável.

Onde Prior entra nisso? Ele também acabou entrando na dança da interseccionalidade nessa edição. O cara é branco, heterossexual, indubitavelmente machista, mas não é racista com Babu. Assim, a lasanha de problematizações do BBB20 ganha mais uma camada — e a gente acaba ficando confuso mesmo, do lado de cá, se a ideia for promover ou eliminar brothers de acordo com valores morais irretocáveis. Ninguém tem isso aí não. Todo mundo faz coisa errada, principalmente sendo monitorado por 200 câmeras por dia.

Dizer que Prior não merece ser ganhador de 1,5 milhão de reais porque já tem uma condição financeira boa é aceitável, dizer que ele não merece ser campeão porque tem convicções não muito nobres é aceitável, mas dizer que estamos passando pano para um machista, sem levar em conta o racismo que Babu sofre no programa (para não falar em Thelma, outra participante negra que também é evitada pelo bloco hegemônico das fadas), é inaceitável.

Para além de toda a discussão riquíssima que o programa tem trazido para as questões identitárias, o BBB ainda é um programa de entretenimento que conta com participantes mais ou menos conscientes sobre esses assuntos. Do ponto de vista da diversão, sinto concordar que poucas pessoas agitam a casa como Prior faz.

Se fosse para assistir um programa sobre diversidade, feminismo ou consciência de classe, eu escolheria algo mais profundo do que o BBB. Enquanto Prior não fizer como Petrix ou Pyong fizeram quando tocaram mulheres de forma inapropriada durante as festas, sigo torcendo para que o arquiteto playboy e mimado continue levando confusão e movimento à casa. À parte disso, trago em mim todos os sonhos feministas interseccionais do mundo (e torço para que o vencedor do programa seja alguém que precise mais dessa grana e dessa fama).

 

Sobre a autora

Luiza Sahd é jornalista e escritora. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante, Marie Claire e Playboy falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. Vive entre São Paulo e Madrid há anos, sem muita certeza sobre onde mora. Em linhas gerais, mora na internet desde 2008.

Sobre o blog

Um lugar na internet para falar das coisas difíceis da vida -- política, afeto, gênero, sociedade e humor -- da maneira mais fácil possível. Acredita de verdade que se expressar de modo simples é muito sofisticado.